quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

FELIZ NATAL HOHOHOHO

video
Créditos a Ana Paula, Gabriela e Marcieli

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Tudo começa com as experiências

Até iniciar na área desejada, sempre é preciso trabalhar em outras

A entrevistada de hoje é Flavia Paula Werner. Ela cursa Psicologia na Universidade Comunitária da Região Oeste (UNOCHAPECÓ). Falta apenas um ano para a conclusão do curso. Atualmente Werner trabalha no setor de informações da universidade.
A Psicologia volta-se para o estudo do comportamento humano, considerando seus aspectos biológicos, afetivos, cognitivos e sociais.
O curso de Psicologia prepara o futuro profissional para atuar na busca do bem-estar e da saúde mental das pessoas. Nas áreas clínica, escolar, organizacional, institucional e comunitária. Oferece ao aluno o conhecimento teórico da área, por meio de recursos pedagógicos criativos, a iniciação profissional, por meio de estágios, e a iniciação em pesquisa por meio do Centro de Estudos e Pesquisas em Psicologia. Os estágios, obrigatórios e sempre supervisionados, priorizam as ações que tendam às necessidades da comunidade em que o curso está inserido.


A entrevista
Marcieli: Olá, tudo bem? Como é seu nome?
Werner:Olá, tudo sim, meio gripada. Flávia Paula Werner.

Marcieli: Qual é sua formação? Diante de um “mundo” de profissões, por que você escolheu justamente esta?
Werner: Ainda não sou formada, mas curso Psicologia. Falta um ano para me formar. Porque me identifico com a área de humanas, porque queria entender melhor muitas coisas da minha vida e da minha família.

Marcieli:
Cursando Psicologia, qual das áreas dela você escolheu seguir? Hoje você está atuando nesta área?
Werner: Ainda não decidi qual área. Identifico-me com psicanálise, psicologia sistemática (psicologias clinicas).

Marcieli: Demorou muito tempo até conseguir um emprego na área que desejava?
Werner: Apenas estágios curriculares. Estagio de diagnostico psicológico, psicologia comunitária e escolar.

Marcieli: Conte-me como é seu dia-a-dia?
Werner: Meu dia é bastante conturbado. Como moro com uma amiga, de manhã vou para a aula, aí quando chego ao meio dia preciso fazer o almoço e serviços de casa. Na parte da tarde faço estágio e nos dias que estou de folga vou para a universidade fazer trabalhos e estudar. Começo a trabalhar às 16h 30min e paro às 22h 30min. Nos finais de semana fico em Chapecó, pois não compensa ir para Formosa do Sul, onde meus pais moram. Por morar aqui e eles lá sinto muita dificuldade.

Marcieli: No decorrer do curso você pensou em desistir?
Werner: Já! Muitas vezes. Por ser muito puxado, ter que trabalhar e estudar. Questões financeiras, não por motivos de não gostar do curso.

Marcieli: Você gostou de atuar nesta área? É mesmo aquilo que você esperava?
Werner: Gostei do estágio que fiz em diagnostico psicológico por trabalhar na área da saúde e comunitário por trabalhar com ONGs. Não gostei do diagnostico escolar. Esta sendo o que eu esperava.

Marcieli: Qual é seu maior desejo, seu maior sonho profissional?
Werner: Meu sonho é um sonho realizável, quero especializar-me em terapias de casais e sexologia. Para trabalhar com casais.

Marcieli: Na profissão que você exerce e no espaço de trabalho que você ocupa, há algum tipo de rivalidade entre os profissionais e seus colegas?
Werner: Aqui na UNOCHAPECÓ, no setor de informações há uma grande rivalidade. Ninguém pensa no outro, pensam apenas em crescer na vida sem querer saber se vai machucar o outro. “Se precisar puxar o tapete do outro para me dar bem eu puxo” é assim que eles pensam.

Marcieli: Na profissão de Psicologia há um amplo campo de trabalho?
Werner: Depende a área. Vários campos não possuem vagas e outros possuem muitas vagas, mas todas preenchidas.

Marcieli: Na sua opinião. Atualmente e futuramente, você acha importante ter alguma formação?
Werner: Com certeza, graduação já não é suficiente. A sociedade exige muito mais, pós, mestrado. As exigências também são econômicas e na política. Ao decorrer do tempo as exigências aumentaram.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Alimentação diária sofre alteração de valores a cada mês

Uma pesquisa realizada na cidade de Chapecó com o objetivo de levantar informações sobre o custo de vida da população, revelou que a cesta básica em 2010, obteve no mês de outubro um valor de R$ 165,45 que gerou 3,57% mais economia do que o mesmo mês do ano anterior. Neste ano houve uma variação de 4,61%, entre aumentos e quedas nos 12 meses de pesquisa que chegaram ao valor máximo de R$188,68 no mês de abril e o mínimo de R$155,58 no ultimo mês de julho.
Em outubro, os produtos com maior redução foram o tomate com 4,13% e o arroz que chegou a 0,72%. Também neste período esteve mais elevado comprar banana que marcou 18,82% de aumento e o açúcar com 13,28%. No mês anterior o valor da cesta básica esteve 2,16% mais acessível com relação a outubro com o valor de R$161,94.
A pesquisa constatou que nos últimos 12 meses, o produto que mais teve aumento foi o feijão preto com 36,27% e o que mais estava em conta para a população comprar foi o tomate com 51,38% de queda. A maior alta neste ano permaneceu com o feijão preto com 31,62% e a principal queda dos alimentos foi a batata inglesa com 34,60%.
O curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó) com a coorde
nação da professora economista Elisângela Brião Zanela, foram os responsáveis pela realização desta pesquisa. A coleta dos dados foi realizada no período de outubro de 2009 há outubro de 2010. Avaliando valores aplicados no último dia útil de cada mês. Os principais supermercados da cidade que são o Barp, Brasão Avenida, Celeiro Supernorte, Bedin do bairro Palmital, Royal e o Moura & Santos do bairro Efapi foram os avaliados.

Composição da cesta básica
Dentre os produtos pesquisados estão o arroz, a batata inglesa, carne moída, feijão preto, pão francês e o tomate, que fazem parte da principal refeição diária da população. Também como complemento nas refeições há o açúcar, a farinha de trigo, leite tipo C, óleo de soja, margarina, banana e o café moído.

Um pouco de experiência compartilhada com aprendizes

Realizou-se na noite do dia nove de novembro de 2010 no auditório do bloco G da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapcó), a entrevista coletiva com os cinegrafistas da RBS TV de Chapecó, Paulo Dall Bello e Sadi Ciotta.
A professora Michele Andrea Niederli a Unochapecó foram as organizadoras da entrevista que iniciou as 19h30min com previsão de termino as 21h mas como o bate papo com Dall Bello e Ciotta estava bom, alongou-se até as 22h.Os alunos do segundo período de jornalismo foram os repórteres.
Os dois iniciaram do zero sem formação acadêmica. Entraram para a TV por não ter o que fazer, no que trabalhar. Na época em que começaram não exigia-se diploma para jornalista, apenas que tivesse Carteira Nacional de Habilitação (CNH),mas com o decorrer do tempo por volta do ano de 1992 conseguiram registro de jornalista e segundo eles são os únicos do estado de Santa Catarina que possuem.
Iniciaram na antiga SBT, que transmitia apenas uma programação local, aí passou a ser a atual RBS. Paulo começou a trabalhar com uma câmera Sony 1800. No inicio usava-se um tele-pronter feito de cartolina com o texto escrito, haviam muitas lâmpadas que estouravam “estourou uma lâmpada aí o apresentador jogou-se no chão” cita Paulo.
Segundo os dois para ser um bom cinegrafista não pode correr do que esta diante de nós, deve-se ter um diferencial, ir atrás do que busca e fazer bem feito. Os dois já foram repórteres, foram ameaçados diversas vezes, principalmente por presidiários. Dall Bello diz que se a Policia Militar (PM) esta junto eles entram nas casas como quiser, pois possuem o mandato juntamente com a policia.
Ciotta disse que já levou processo e Paulo ainda não. Cinegrafista e reportes não possuem horário, se acontece algo precisam estar lá para filmar e fazer a cobertura do ocorrido. O cinegrafista deve ajudar o repórter e vice versa para sair um trabalho bem feito.
O repórter que já trabalhou em radio é melhor do que aquele que começa direto na TV, já ensinaram diversos jornalistas como deveriam fazer. Onde trabalham todos devem ajudar a dar opinião de pauta.
Houve uma época em que era “Deus no céu e RBS aqui” citou Ciotta. Relembraram matérias que marcaram suas vidas e as que acharam boas mesmo. Para os dois o acidente na BR 282 no ano de 2007 foi a pior, pois no acidente perderam um colega de trabalho. Paulo diz que em Abelardo Luz onde houve fogo cruzado entre policiais e sem terras. Também em Palma Sola tiveram que retirar sem terras das terras. Os dois possuem mais de 27 anos de trabalho apenas na RBS TV.

CDL Chapecó inaugura Casa do Papai Noel no dia 28 de novembro

A magia do Natal já tomou conta dos lares, das lojas, das empresas e das ruas e avenidas de Chapecó. Para crianças e adultos, é a época mais bonita do ano, cheia de simbolismos e emoções. Para reforçar ainda mais esse momento a CDL Chapecó, com apoio da Prefeitura Municipal, inaugura no dia 28 de novembro, a Casa do Papai Noel na Praça Coronel Bertaso, em frente a Catedral Santo Antonio, no centro de Chapecó. No mesmo dia serão inauguradas as luzes de Natal nas ruas e avenidas.
Até o dia 23 de dezembro, das 17 às 22 horas, o Papai Noel receberá as crianças para fotos e pedidos. “A CDL não poderia deixar de dar esse presente para as crianças. Nossa equipe está empenhada e fará uma Casa do Papai Noel aconchegante”, revela o presidente da CDL Chapecó, Dornéles Dávi.
Por isso não perca os horários e leve seus filhos para estar diante do que eles mais cobiçam durante o ano inteiro.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Premio Meritus Unochapecó reconhece esforços de comunidade Acadêmica

A Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó) premiou na noite de quarta-feira (10), com o apoio da Caixa Econômica Federal nove pessoas. A premiação teve como objetivo reconhecer os esforços da comunidade acadêmica no ano de 2009. Em uma solenidade que iniciou às 19h30min no Lang Palace Hotel, onde estavam presentes acadêmicos, professores, imprensa, indicados ao prêmio e comunidade em geral. Após a premiação, houve coquetel ao público presente.

O evento foi mediado pelo apresentador Thiago Freitas. Para preparar os candidatos ao resultado houve apresentação da Orquestra e do Coral da universidade. Também, o reitor da universidade Odilon Polli fez seu pronunciamento sobre a premiação.

Dentre as sete categorias foram indicados nove vencedores, que receberam troféu e os demais candidatos receberam certificado por participação. A primeira edição premiou as categorias: Destaque Publicação (docente), Destaque Iniciação Cientifica (aluno), Destaque Inovação, Destaque Extensão, Destaque Mérito Acadêmico (discente), Destaque Docência e Destaque Comunitário.

Os candidatos foram indicados pela universidade e comunidade até o dia 04 de outubro, após isso foram escolhidos 54 indicados por votação pelo site www.unochapeco.edu.br/meritus até o dia 21 de outubro. Para escolher o vencedor de cada categoria foi preciso a participação do Conselho Universitário (Consun), que avaliou e analisou cada candidato, por voto fechado.

Dentre os nove vencedores foram três para a categoria destaque universitário e um para cada outra categoria. Destes sete estavam presentes, um já havia falecido e o outro estava viajando, mas foi representado pela sua esposa.

Ganhadores do Prêmio Meritus

Destaque Publicação: Antonio Zanin, graduado em Ciências Contábeis.

Destaque Iniciação Cientifica: Edes Noel de Amaral Junior, graduado em psicologia, Praticas Sociais e Desafios Contemporâneos.

Destaque Inovação: Elton Luis Minetto, graduado e especialista em Ciências da Computação.

Destaque Extensão: Projeto CEOM, Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina, criado em 1986.

Destaque Mérito Acadêmico: Mauricio Guerra, graduadoo em Engenharia Civil.

Destaque Docência: Mauro Antonio Dall Agnol, graduado em Odontologia e especialista em Docência Superior.

Destaque Comunitário: Pedro Uczai, professor de graduação há mais de 20 anos.

Eder José Popiolski, graduado em Administração e Educação Física.

Plínio Arlindo De Nes (in memorian), foi vereador e prefeito de Chapecó.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Morrison Rock Blues Bar movimenta as noites de Chapecó

O Morrison Rock Blues Bar inaugurou sua filial em Chapecó no dia 25 de junho deste ano, na rua Guaporé, antigo Orange. A ideia partiu de uma visita a cidade de Garopaba, onde a sócia proprietária Lucena Trancoso dos Santos conheceu o bar do seu amigo Rodrigo Linhares. Então, uma sociedade foi iniciada.
No inicio houve um pouco de receio. Como a cidade não possuía bar de rock, Lucena não saberia se iria dar certo. Entretanto, com o passar do tempo, o bar foi ficando conhecido e começou a fazer sucesso. “O bar esta sendo um sucesso, superou todas as expectativas” afirma Lucena, após pouco mais de quatro meses de inauguração.

Sobem ao palco no Morrison, bandas locais e bandas de nível nacional, animando o publico com Rock Clássico ou Blues. Segundo Lucena, o bar possui dias variados da semana que há o “Palco Livre”, onde bandas do publico sobem ao palco e animam o publico restante.
O bar recebe um público de todas as idades e classes. Nas quartas e quintas-feiras é frequentado pelos jovens. Nas sextas-feiras e nos sábados comparecem os casais. Nos domingos todas as idades e sexos, mas predominando os jovens.

Conheça mais sobre o Morrison no orkut :
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=4888604486862368353
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=107279069